terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Poema dos redemoinhos



é nos ínfimos que a beleza habita
a cada pormenor do mundo que gira
 redemoinhos
da vida, do peito, da alma
de tudo que gesta no homem

a cada pedaço de sol
a habitar nossa tímida pele
para que nos aqueça e tranquilize
todo caos envolto de amor
que o tempo insiste em nos dar
que o vento insiste soprar
que a alma insiste amar


*

Nenhum comentário: