quarta-feira, 17 de maio de 2017

Poema chega!

Chega de excessos
lugares que nos levarão a nada
sementes de ansiedades vazias
pensamentos de beira de abismo
chega de nos justificar
de querer que pensem isso ou aquilo
é isso e aquilo 
Pronto!
não precisamos mascarar
chega de querermos apagar
a chama que nos alimenta
chega desse desesperar 
nas esquinas dos desejos 
petrificados, repetidos, viciados
chega de fingir que não morremos
a cada tiro, a cada abate, a cada aborto
da criança que quer sorrir dentro de nós
do pássaro que quer voar junto ou a sós
da nudez que ninguém vê mas procura desesperadamente
perdidos, jogados, falidos, mal amados
chega de todas as estórias que criamos 
para fugir de encarar a vida
tal como ela é: INFINITA!
da floração da terra em constante gestação
do coração que bate sua sina
sinal que é preciso escutar agora, não depois
não quando tudo desmoronar 
chega de metades, pedaços, chega de incompletude
chega das culpas, das desculpas e dos falsos perdões, 
chega dos falsos amores e das falsas paixões
chega de igrejas, templos, religiões!
chega de poderes vazios, atrasos na revolução.
chega de falsos cegos, surdos e mudos.
Chega de selfies, de hipnose e corrupções.
chega de marionetes, laranjas e falsos chefões.
Somos inteiros que se despem na infinitude.
chega de princesas, príncipes, gurus e super homens
chega de monstros, vampiros, fantasmas e chupacabras.
Chega! Basta! Raio que me parta! 

Convenhamos 
somos grãos de areia perdidos no mar
e o que queremos embora não sabemos
é apenas abraçar!



*


domingo, 14 de maio de 2017

Poema para a mãe da gente

a mãe da gente sempre fica
não importa se ela se foi
fica na pele, na lembrança, na história
é mãe sempre
dedica o corpo, a vida, a alma à sua cria
carrega no ventre a sua alegria
é mãe para sempre
que cuida, que dá alimento, 
que vê sua cria crescer
sorri o primeiro sorriso da cria
torce por cada passo conquistado
até o andar, que alegria!
sofre por cada lágrima derramada
mas sabe que a cria tem que aprender
com seus próprios pés a arte de viver
por isso a mãe da gente ensina até certo ponto
o ponto que cada um escolhe aprender
depois cabe a cria se ensinar a viver
a mãe da gente sempre fica dentro da gente
a nos dizer baixinho que ama a gente
não importa o nosso caminho
puxará a orelha se for preciso
porque já adultos a mãe da gente
é a consciência nossa a nos chamar
"vá em frente menino, a vida não vai parar!"


 


quarta-feira, 10 de maio de 2017

Poema to let go



demoramos tempo demais
para reaprender a se entregar
as coisas são como são
eu sei que não existe perdão,
se nem coração existe
existe o que existe
nos lugares que menos esperamos
a algazarra acontece
o beijo da vida é dado
e caminha para um abraço
lá na frente
"aqui, ali, em qualquer lugar"
como Rita Lee quando canta The Beatles
como as coisas que nos batem na porta 
para nos ensinar to let go
porque quando você arranca uma flor da sua morada
ela morre devagar 
as coisas são como são
porque é tão difícil aprender a entregar
nosso suspiro
quando prender pássaros em gaiolas
nos fará enjaulados
e o contrário deixar o pássaro voar
será também se libertar

saberemos nos entregar?





terça-feira, 2 de maio de 2017

À tardinha

  


lá pelas tantas 
quando o sol se extingue no horizonte
olhar o céu à tardinha 
e caminhar pelas ruas pode ser alegria
repara como a linguagem dos pássaros 
excede o limite dos muros?
assim meu bem não existem obstáculos 
para quem aprende a voar
 os muros só existem 
para quem aprende a rastejar
a linguagem dos pássaros é o voo
limita-se a não se limitar
tudo é possível nesse céu
para quem aprende a sonhar

sonhar é uma arte que se vive
quando o chão deixa de ser estrada
o limite deixa de te limitar
e a regra é sonhar sem se importar
apenas porque voar é caminho 
e o céu é destino




*





segunda-feira, 1 de maio de 2017

Poema atento


muito antes de te ler 
observei o toque do silêncio nos ouvidos
a sutileza das pedras a encontrar um céu
riscado pela asa da palavra "casa"
as nuvens eram dotadas da leveza do tempo
você já se foi e como pássaro voou 
mas algo sempre fica
de quem um dia a gente encontrou
ternura cinza nas ranhuras das pedras
o musgo brota e a vida continua a cantar
ao pé do ouvido
o embalo é um abraço que dança lucidez
embriaga e desaparece
só as nuvens me contam dos teus rastros
você vai onde o vento te leva
e como pedra eu só observo teu trajeto
meus musgos sabem como é bom brotar
beijar a terra até o fim, olhar para o céu 
como se amanhã não houvesse
sentir o perfume do tempo
escutar o canto daquilo que não tem nome
percorrer a infinitude dos traços das nuvens
gosto de te ver chegar, pousar em mim e ir embora
mas o que gosto mesmo é de te ver voar
riscar o céu sem demora 
parte de mim é esse risco 
que me risca por dentro
risco que corre no nosso olhar
risco que se arrisca a riscar


Poema feito ao contemplar uma bela foto do AC - interioridades :). 
Porque é um escritor, poeta que muito me inspira.


quarta-feira, 19 de abril de 2017

Poema para te acordar


meu bem já te disse tanto 
que agora fico no meu canto
em silêncio danço 
sem mais querer te encontrar
no entanto é de repente 
que me apareces
e sem querer me despes 
de tudo que eu pensei realidade
e então do nada desapareces 
como se só eu estivesse
sem mais ninguém a me despir
me dispo sozinha de tudo
até desse corpo que não é meu
não quero levar nada comigo
nem mesmo esse abrigo
que teimei chamar de meu
não tenho nada neste mundo
é tudo um empréstimo 
com juros altos a pagar
pagaremos cada centavo 
na eternidade do sorriso dado
sem a consciência do desvio
é que é preciso ter responsabilidade
daquilo que precisamos fazer
para o mundo e nós crescer
não podemos mais ficar parados
ou você vai ou a vida te leva
meu bem é preciso gritar 
fazer o que se deve para a vida poder fluir
e no mundo o amor poder repercutir 
tire a trava, a muleta, a desculpa, se liberte 
cante para o mundo 
o que as pessoas precisam escutar
toque o que deve ser tocado
abrace quem der vontade
beije os ponteiros do relógio
sorria para as tuas lágrimas
simplesmente aprenda
porque é assim e só assim
que poderemos mudar
aquele padrão de ser menos
do que verdadeiramente somos
você pode sim e deve
mudar o mundo

terça-feira, 18 de abril de 2017

Poema possível


(Imagem de autoria desconhecida)


abrange o infinito nos olhos
capturas os traços indescritíveis das águas 
vês como as ondas sonham constelações? 
assim teus olhos me capturam 
as estrelas conversam contigo
 refletem nas águas 
em meio à escuridão do universo 
 por isso e por outras coisinhas mais 
 sei exatamente onde estás 
seu brilho é o alicerce 
 que movimenta a dança 
do tempo 
 onde é possível sonhar 
o sonho possível 
da guerra um dia acabar



*

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Poema de um amor bonito

das flores que te dei
a maior eu não sei
foi a que me destes
portanto 
meu sorriso é tanto
que não cabe neste canto
que tento te encontrar
toda vez que o coração bate
parte de mim arrebate
um despertar
é que desta vez 
te encontrei 
na janela que me cabe
te amar



sábado, 8 de abril de 2017

Poema que sonha

177o Desafio Poético com Imagens (Tania Contreiras :))

Poema que sonha

uma imagem distorcida
tem qualquer coisa duvidosa
distorço a pele e não vejo nada
torço o pescoço 
e lá habita alguém 
um ser sem porque 
que sonha, sente e dança
no silêncio 
tal qual eu e você 
habitamos a palavra habitar
e tudo parece se encaixar
do outro lado ninguém vê
a pele que deseja eu e você 
não é pele
é vazio insistente
que ninguém sabe habitar
portanto não se engane
não tape o buraco 
com quem não te pertence
a tua angústia 
escute bem meu amor
o olho que tudo vê
jamais verá tudo
portanto não queira entender 
a música que jaz na pele
de quem só quer te esquecer

 

terça-feira, 4 de abril de 2017

Maravilhas



Maravilhas
em um mar de ervilhas.
Filhas esverdeadas
do grande silêncio.
Pilhas da mais bela luz,
carregam milhas de encontros
nas ilhas do amor.
Maravilhas!

sexta-feira, 31 de março de 2017

Poeminha onde jaz a liberdade de florir

naquela flor jaz
a liberdade
de florir
sem mais solidão

dar as mãos 
para quem te habita
e seguir em frente
no repente da vida


*(obs: não precisa escutar a sugestão de música, afinal é só uma sugestão ;) que escute quem quiser)


Pequenino poema

no entrelaçar dos galhos
as flores apaziguam os olhos
e o que permanece é ternura em flor
na pele o perfume vivo aviva a cor
azul clarinho sussurra baixinho
um pedaço pequenino de amor


*

Poema sobre um pedaço pequenino de paz

tenho em mim 
um pedaço pequenino de paz
que às vezes não se sustenta
e a tempestade chega
a me molhar 
com seus raios repentinos
de mudança 
que me fazem dançar
o que perdi ali
ganhei aqui
onde brotam sorrisos
amanhã nascerão lágrimas
que um dia serão pássaros
a voar no horizonte


*




quinta-feira, 30 de março de 2017

Poema onde o caminho é leve

quando o sol nasce 
nas flores
e apruma a sede 
das pétalas
onde o caminho é leve
o céu azul turquesa
faz morada nos olhos
e é possível sonhar
levar para longe
todas as mentiras 
que a mente cria
por medo de voar

POEM WHERE THE ROAD IS LIGHT

when the sun rises
in the flowers
and arises the thirst
of petals
where the road is light
and the turquoise blue sky
makes an abode in the eyes
it's possible to dream
take away
all the lies
that the mind creates
because of fear
to fly in the sky


segunda-feira, 27 de março de 2017

Poema de simplicidade inadiável


(Aquarela por Luiza Maciel Nogueira)


como uma pequena flor que brota no jardim
assim regas teu dia com a luz do sol
tira bom proveito das águas, do orvalho, das tempestades
da terra, dos ares, das flores, do silêncio e de tudo ao redor de ti
para compor teu dia com simplicidades
que alimentam o ser
concentra em se nutrir do tempo que tens nas tuas mãos
e espalhe quando nas tuas mãos não mais couber
 tanta poesia



*


Broken

quinta-feira, 23 de março de 2017

Poema para espantar gavião


meu bem não vou brincar de gato e rato contigo
estou velha demais para isso
cresci e amadureci rápido demais
e até já tenho cabelos brancos
depois de muito espernear
cá estou
já quase nada me tira do eixo
não sou Cinderela nem princesa que beija o sapo
aquela outra lá que conheceste já era
não existe mais a pobre coitadinha
sou mullher com "M" maiúsculo
não abaixo a cabeça e não corro atrás de ninguém
não admito desaforos, falta de respeito
quem me rejeitou talvez se arrependa no futuro
enfim não importa
eu não simpatizo com gente assim
estou velha demais para joguinhos de gente vazia
já me nascem os cabelos brancos
meu objetivo é outro
e a poesia é quem me guia
eu vou onde meu coração me leva
já fui cuspida demais por gaviões
e respeito é palavra indispensável no meu dicionário
tanto que virei Fênix
sou Ogra também se eu quiser
tanto faz meu bem
porque meu objetivo é outro
e a poesia é quem me guia
a arte é quem me chama



*





quarta-feira, 22 de março de 2017

Diálogo com o silêncio enquanto não falas comigo II

por gentileza verse comigo
é que o silêncio me é insuportável
e ele sabe me torturar
não nasci para o silêncio 
eu quero uma porta que me abra
um novo mundo
um disco voador 
que me leve para outra galáxia 
já que esta está a me irritar
com tanta morte, violência, corrupção
quero falar com alienígenas
tocar as estrelas
gritar no espaço para ninguém me ouvir
quero engolir as pílulas da felicidade
e ficar gargalhando para o nada
até adormecer
quero parar com a síndrome da Cinderela 
e mandar o príncipe para aquele lugar
e se não gostou vai pastar

segunda-feira, 20 de março de 2017

Diálogo com o silêncio enquanto não falas comigo

enquanto não falas comigo 
converso com o silêncio 
que me corresponde sempre 
a medida de mim 

ele me compreende 
tão completamente 
que qualquer palavra 
é excesso excelso 

é que nenhuma palavra 
nos será suficiente 
nada nos salva meu bem 
é cada um por si

eu quis te dar a mão
mas você quis cair
então caia e crie asas
um dia voltaremos para a casa


(Luiza Maciel Nogueira)



sábado, 25 de fevereiro de 2017

Poema de quando eu te era




Eu era tu.
Eu era ele.
Eu fui um pedaço de todo mundo
e todo mundo me era.
Senti coisas não minhas
paisagens do outro que não me era.
Sedenta do outro
quis ser ninguém.
Tive sede de mim.
Ele era meu refresco
para eu fugir de mim
e nessa fuga me encontrei.



(desafio poético com imagens celebrando 4 anos criado por TaniaContreiras Arteterapeuta)

Imagem: de Alice Wellinger




quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Poema de quando a poesia beija a música

quando a poesia beija a música 
o pássaro se preenche de notas
nasce a poesia
e o amor prevalece
acima de todos os absurdos
que um dia irão embora
porque só o amor é infinito
o resto é resto e será levado para longe
sem perdão, sem lamento, sem demora
absurdos tantos, vários, inúmeros
estes dançam em toda parte 
a parir mais absurdos,
mas nada resistirá ao amor
e quem souber disso
terá em si todas as forças  
para sorrir, para amar, para cantar

para levar em toda parte 
um pedaço da infinitude

 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Poema da chuva em nós



chove todos os dias dentro de nós 
sempre após 
enquanto o tempo nos sorri 
inteiro, intacto, nos antevê 
como a carregar um pedaço 
da viva esfera do mundo 
a rodopiar em abraços 
e ciclos repentinos de luz 
em gotículas de embriaguez 

 é luz que jorra quando 
entra o silêncio de uma multidão 
ou a parte bela ínfima de uma imensidão 
prestes a cantar sua canção 
são pássaros, flores, borboletas 
e tantas notas a navegar no coração 
a oferecer um pequeno silêncio 
para brotar inspiração


*

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Poema de entrega em flor

 

a entrega quando é
sabe-se ao sabor da música
quando o todo dança em tudo
a luz faz a morada nos sentidos
e sem perceber se despe
em sorrisos de pássaros até os dentes
a povoarem a pele da ternura
de querer sempre mais
daquilo que nos fará dançar
cada vez mais
sem explicação e sem lamentos
com música, arte e poesia
no lar onde se escuta
O infinito!



*


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Do último poema

 

sem tantas palavras
mas uma infinidade de sensações
sem tanto adeus 
mas um para sempre
recheado de agoras 
antes a vida não era
apenas passava
agora a vida é sempre
abraço o que vier
passo quando o beijo do já
infinita a vida
saboreio o íntimo pulsar do mundo 
em lugar da triste espera
infinitei a alegria de amar
sem tantas palavras
e sem nenhuma explicação
a poesia faz morada no silêncio 
faz ninho de maravilhas na pele
depois desse poema
não te direi mais nada
as maravilhas são pássaros 
que voam na alegria de voar
enquanto o amor é o ar, o sol, o céu 
que permite voarem as maravilhas

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Da pergunta fundamental



Depois de ver duas vezes a palestra acima e recomendo que leia apenas depois de ver duas vezes a palestra (se possível), compartilho aqui minhas anotações por considerar uma palestra fundamental para a evolução do homem e quem sabe em um futuro próximo mais pessoas não possam se beneficiar tanto dessa palestra como dessas anotações.

O que Krishnamurti nos ensina neste vídeo é – qual é a natureza do conflito entre os homens, entre o fato de o homem continuar criando guerras tanto internas como externas pois o externo é uma projeção do interno. Nisso ele nos leva a pensar que a natureza do conflito reside no fato que somos condicionados por nossas experiências, memórias, conhecimentos. Que o conhecimento é um condicionamento e a natureza do condicionamento é a experiência – uma repetição de certa tradição, que não deixa de ser uma série de memórias, um processo que isola e o isolamento é a natureza do conflito. Quando existe um hiato entre a percepção da ação a ser realizada e as implicações do medo de realizar essa ação – daí nasce o conflito. Entre aplicar o que consideramos verdadeiro e os medos dessa ação desse paradoxo surge esse intervalo de tempo que é o conflito entre a percepção e a ação. Desse modo ele chega a uma solução para o conflito como a aplicação imediata da percepção sem esse hiato de “MEDO” (que é condicionado por memórias/conhecimentos), nos traria a paz.     

Krishnamurti aborda também que somos memórias, ou seja passados projetados no futuro que se modificam no presente e que o EGO,MIM,SELF é um movimento de identificação com nossas memórias.

Outra pergunta fundamental que Krishnamurti faz é “Como alguém observa suas memórias?”, observar as memórias e o observador (quem observa) – caso exista divisão entre suas memórias e o observador, existirá conflito! O conflito existe quando existe divisão, solidão e a solidão é um ato de separação, a natureza do conflito.

Como Krishnamurti afirma “viver pacificamente exige muita inteligência”, um observador ativo e consciente de sua unidade com o mundo.
Concluo aqui a importância da investigação de como ampliar a capacidade do homem nas diversas áreas mencionadas pois é possível ampliar a consciência do homem sim,  consideramos impossível apenas porque estamos condicionados à descrença.

Pergunta fundamental como aumentar a capacidade cerebral do homem?

- através de:

- Alimentação – Sim, é comprovado cientificamente que a alimentação tem influencia no humor/disposição do homem, assim como o açúcar, a cafeína e diversas outras substancias que podem deixar o homem mais influenciável, maleável, “alegre”.   

- Música – sim, a música tem um papel importante tanto em expandir a consciência, quanto aliená-la, quanto influenciar através de mensagens, palavras, sons, no entanto é preciso treinar o “escutar ativo” para cada vez mais usufruir desses benefícios, mas acredito que é possível uma música que faça o homem aos poucos ficar cada vez mais ficar mais ativo, consciente de si/do mundo para ampliar sua capacidade cerebral/mental/amorosa/presença no mundo.

- Concentração/ Meditação -  sim, é preciso treinar o ser observador para poder também usufruir dos benefícios da meditação. Em minha experiência com as concentrações e meditações é fácil perder o rumo (em labirintos mentais), no entanto é preciso manter o “observador” ativo para captar o néctar da meditação que é o estado de união com tudo e isso se alcança somente com treino mas também é fácil “ser condicionado” a entrar no labirinto e não experimentar o estado de união e é muito fácil se enganar/projetar conteúdos. Desse modo nem sempre digo que a meditação como concentração pode ser o melhor caminho – cada um pode escolher o que melhor lhe serve no momento, não excluindo os benefícios dessa técnica que como as outras pode ajudar em muito o homem a expandir sua capacidade.  

- Exercícios físicos, Asanas da Yoga – sim, os exercícios da yoga (asanas), assim como os exercícios físicos influenciam na vida dos homens liberam endorfinas, etc. No entanto também podem ser apenas repetidos sem "vida", como um vício caso não exista presença em quem realiza. 

- Leitura/Arte/desenho/escrever – sim a leitura é fundamental lança luz no que antes não se via, no entanto é preciso de um leitor ativo e consciente para usufruir mais amplamente dos benefícios da leitura. Quanto à arte é preciso que exista um observador ativo e consciente também, quanto ao desenho/escrita o mesmo é uma ferramenta interessante ao dar luz ao que antes estava inconsciente/subconsciente. 

- Uma conversa/ um encontro/uma aula - da mesma forma é preciso uma escuta ativa, um orador ativo para tanto o aprendizado quanto o compartilhamento desse aprendizado e aprender ao ensinar também. Enfim, é preciso essa abertura para o encontro acontecer.

- Conclusão: tudo pode influenciar a capacidade do homem, no entanto o homem precisa estar fundamentalmente presente para captar mais amplamente os benefícios dessa expansão de consciência e para isso faz-se necessário a investigação ainda do que exatamente poderia fazer com que o homem fique realmente presente e de fato aprenda da melhor forma com suas memórias/experiências/conhecimentos?