quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Poema de quando a poesia beija a música

quando a poesia beija a música 
o pássaro se preenche de notas
nasce a poesia
e o amor prevalece
acima de todos os absurdos
que um dia irão embora
porque só o amor é infinito
o resto é resto e será levado para longe
sem perdão, sem lamento, sem demora
absurdos tantos, vários, inúmeros
estes dançam em toda parte 
a parir mais absurdos,
mas nada resistirá ao amor
e quem souber disso
terá em si todas as forças  
para sorrir, para amar, para cantar

para levar em toda parte 
um pedaço da infinitude

 

6 comentários:

Elvira Carvalho disse...

"Nada resistirá ao amor". Sempre acreditarei nisso. O amor é a roda que movimenta o mundo.
Um abraço

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Oi Luiza, belíssimo poema. Parabéns! Belas figuras - a poesia beija a música e o pássaro de luz tem mais cantares. Parabéns! Abraço. Laerte.

Luiza Maciel Nogueira disse...

Exatamente! 😊❤ um beijo

Luiza Maciel Nogueira disse...

Grata Silo! Abraço!

Agostinho disse...

Disse Guimarães Rosa: "viver é um rasgar-se e remendar-se". É isso o amor.
A música é, de facto, inspiradora, ou, o amor é uma sinfonia de sons, escritos, linha a linha, em versos de cor.
Abraço.

Julia Tigeleiro disse...

Suave este poema, exatamente como a poesia que é música para os nossos olhos e ouvidos.
Um beijinho.