segunda-feira, 17 de abril de 2017

Poema de um amor bonito

das flores que te dei
a maior eu não sei
foi a que me destes
portanto 
meu sorriso é tanto
que não cabe neste canto
que tento te encontrar
toda vez que o coração bate
parte de mim arrebate
um despertar
é que desta vez 
te encontrei 
na janela que me cabe
te amar



4 comentários:

Julia Tigeleiro disse...

Flor branca símbolo de pureza, como deve o amor também brotar das entranhas do nosso ser como água pura que escorre das montanhas. Gostaria tanto de ter o dom de palavra para poetizar como a Luiza, mas não tenho. A minha poesia está no que meus olhos vêm. Um beijinho.

Luiza Maciel Nogueira disse...

Júlia os dons nada são que a responsabilidade nos batendo na porta. Escrever pode ser lindo pra quem tá de fora mas pra quem escreve sangra a beça Júlia. Não é fácil não. De qualquer forma tambemnao tenho todo esse dom que dizes. E teus olhinhos imensos brilham, transbordam maravilhas! Beijinho!

Suzete Brainer disse...

Poema belíssimo!

Todo amor é (a)guardado na janela da alma,
no encontro do brilho do olhar!...

Sublime este teu poema e apreciei muito.

Bjs.

Agostinho disse...

A preservação da flor, da flor que se recebe e se dá é a chave do poema. É amor.
Bj.