Música!

sábado, 8 de abril de 2017

Poema que sonha

177o Desafio Poético com Imagens (Tania Contreiras :))

Poema que sonha

uma imagem distorcida
tem qualquer coisa duvidosa
distorço a pele e não vejo nada
torço o pescoço 
e lá habita alguém 
um ser sem porque 
que sonha, sente e dança
no silêncio 
tal qual eu e você 
habitamos a palavra habitar
e tudo parece se encaixar
do outro lado ninguém vê
a pele que deseja eu e você 
não é pele
é vazio insistente
que ninguém sabe habitar
portanto não se engane
não tape o buraco 
com quem não te pertence
a tua angústia 
escute bem meu amor
o olho que tudo vê
jamais verá tudo
portanto não queira entender 
a música que jaz na pele
de quem só quer te esquecer

 

3 comentários:

Jaime Portela disse...

Quase nunca se entende tudo...
Mas fácil é entender que o teu poema é magnífico.
Gostei imenso, parabéns pelo talento.
Votos de uma Páscoa Feliz, extensivos à família, cara Luíza.
Beijo.

CÉU disse...

Olá, querida Luiza!

Um poema bem lúcido a despertar consciências.

SANTA E FELIZ PÁSCOA!

Beijinho.

Agostinho disse...

Num golpe de olhar o delírio pode acontecer. É ler e tocar em sentimentos por inventar.
Bj.