domingo, 9 de julho de 2017

Da verdadeira beleza

 

A verdadeira* beleza sempre foi e sempre será gratuita. O verdadeiro amor sempre será dado de graça! A verdadeira felicidade jamais será comprada pois é da simplicidade do amor que ela nasce e a ele sempre retorna. Nunca te falta. Mas tu sempre esqueces de onde veio e para onde vais. Pois é preciso ampliar a percepção para percebe-lo imerso em ti e em tudo ao seu redor. Assim antes de ti existiram inúmeros processos, inúmeras existências a te guiar desde os livros até professores, país, amigos, companheiros, árvores que já foram sementes até agora no qual te deparas com a simplicidade de um pôr do sol. Agradece a imensa teia que sempre te sustentou e continua a te sustentar sempre. Na consciência dos inúmeros processos ao seu redor a mente nos foge em devaneios infinitos. 

*verdadeiro é um termo delicado mas diante das belezas tão artificiais se faz necessário caracterizar a verdadeira beleza como vinda da natureza e somente da natureza, esta sim sempre nos foi gratuita. A beleza de um nascer de sol, de um céu de nuvens. A beleza de um pôr de sol, da lua, do céu estrelado. A beleza da natureza, das flores, das árvores, dos encontros. Enfim a beleza gratuita...




2 comentários:

AC disse...

Luiza,
É bom darmos graças pela beleza do mundo, mas, paralelamente, é preciso lutar, mais do que nunca, pela sua preservação.

Um beijinho :)

Luiza Maciel Nogueira disse...

AC o próximo poema é para você! Rs beijinhos ;)