Música!

...

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Poema de sangue em despedida

despeço o tempo do tempo
um convite já não adianta
a ferida aberta sangra
já se foi tempo demais 
feridas demais
hoje não te darei esperanças 
o meu desesperar canta
nosso sangue dança pela estrada
funde no tempo que se foi
junto com um tempo que nunca será
através do tempo que está
lacrimeja o tempo sem tempo
na gota da nossa infinitude
cante todas as músicas mesmo assim
e jamais pare amor
para que um dia depois de tanto cantar
alguém te escute
e como um beijo
alguém possa te amar e se perder
e que de tanto amor
o sol possa nascer

Um comentário:

CÉU disse...

Oi, querida Luizinha!

Um fantástico poema onde se vê bem a dor do amor.

Beijinhos e bom final de semana.