Música!

sábado, 5 de agosto de 2017

Poema do ovo na gaiola

192o Desafio poético com imagens da poeta Tânia Contreiras!

A imagem é uma pintura de Rene Magritte.


um ovo em uma gaiola

um ovo em uma gaiola

um ovo em uma gaiola

um ovo em uma gaiola

nascemos em uma prisão

ninguém nos salva dessa gaiola

ao nascer, ao crescer, ao morrer

continuamos dentro da gaiola

é sonhar a liberdade

com uma porta aberta

para outra gaiola ir

ou imaginar que vamos 

para outras gaiolas

sem sabermos presos 

estamos dentro da mesma gaiola

aquela mesma que nascemos

ao nascer, ao crescer, ao morrer

continuamos dentro da mesma gaiola

e embora tentemos 

não é possível enfeitar a dor

de ser sempre um ovo 

preso dentro de sua íntima gaiola


Luiza Maciel Nogueira


3 comentários:

CÉU disse...

Tu tens imensa razão, querida! Então, não é k toda a nossa vida, nossas atitudes, etc. são ovo numa gaiola, ora por isso, ora por aquilo.
A imagem casa, lindamente, com teus versos.

Big abracinho, menina sensível!

Suzete Brainer disse...

Luíza,

Um poema excelente, filosófico que harmoniza com a profundidade
excelente e original da arte de René Magritte (riqueza na simbologia...).

A gaiola é mental, o espaço mental aprisiona e também liberta,
mesmo assim, cada um com sua gaiola mental...
Beijinho.

ANNA disse...

Te dejo mi blog de poesia por si quieres criticar gracias.
Me gusta mucho el tuyo.
http://anna-historias.blogspot.com.es.