segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Um pouco de Drummond


(Estudo da Natureza para delirar uma pintura 
Luiza Maciel Nogueira)


Ausência
Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.




Um comentário:

CÉU disse...

Olá, Luiza, querida!

Há poetas, k dizem, ou melhor, escrevem cada "coisa"!
Nunca tinha pensado nesse tipo de falta, nessa ausência, que interiorizámos em nós.
excelente sua escolha.

Beijos e pra tua filha, tb, um bem especial.