Música!

...

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Poema desencontrado

já não sei mais o que te dizer 
já te disse isso eu sei 
parece que o tempo passa veloz 
e a gente nunca se vê 
quando vê nem mesmo olha 
quando olha nem mesmo escuta 
quando escuta nem mesmo sente 
quando sente nem mesmo fala 
e quando fala nem mesmo encontra 
nossos desencontros somam uma vida 
basta de desencontros amor 
olha o tempo e escuta, sente o vento e fala 
encontra a tua sombra, teu canto 
e depois me diga da luz 
reflita nos outros todos os sonhos 
depois me cante os teus 
basta de desencontros amor 
mas eu sei que ao virar da esquina 
não vais olhar para mim 
se olhar não escutará 
quando nossos olhos se encontrarem 
não perceberá pois já estará cego 
dentro do teu mundo 
e qualquer palavra que sair das nossas bocas 
será apenas para disfarçar a nossa dor




10 comentários:

CÉU disse...

Tão triste e tão bonito que é seu poema! Será que ele vai agir, desse jeito?

Estou gostando de ver você, por aí na blogosfera, comentando e fazendo amizades.

Beijos, Luizinha e tudo de bom. Beijão pra sua filha.

Pedro Coimbra disse...

Um poema que mexe com as nossas emoções.
Porque é de emoções que trata de modo tão belo.
Bfds

Ivone disse...

Lindo poema, os sentimentos são infinitamente inspiradores, mas os versos bem colocados nos dão a dimensão do que é viver sem ver, sem sentir,
pois a vida passa rapidamente!
Aqui os desencontros, triste, mas belamente mostrado!
Abraços apertados querida Luiza!

Graça Pires disse...

Obrigada pelas palavras deixadas no meu "Ortografia". Passarei aqui outras vezes.
Um beijo.

Antonio Pereira Apon disse...

Um tanto de triste, mas, belos os teus versos de uma poesia inspirada e inspiradora. Parabéns, Luíza.

Obrigado por sua visita. E, não há mais o que "ensaiar" para participaste do "poetizando e encantando", da professora Lourdes. A poesia pulsa em ti, menina.

Um abraço e bom fim de semana.

Bíndi e Ghost disse...

Olá Luíza!
Esse desencontro parece ser usual atualmente...casais, pais e filhos, amigos, correndo demais, ocupando-se demais, para trocar um simples olhar, uma palavra de afeto.
Mas a cada um deve ser dada a liberdade e o tempo para agir. Não podemos forçar nada, nem suplicar amor e atenção. Como as flores que ficam nos jardins, ocupemo-nos em exalar o perfume de nossa alma; as borboletas que sintonizarem conosco, nos procurarão.
Um grande abraço!

Beijaflor disse...

Quando a vida se desencontrar
Não vale muito correr atrás dela
Há sempre outras formas de amar
Fechando a porta, se abre a janela!

Abraço

Lilazdavioleta disse...

Bom dia Luiza ,
venho agradecer a sua visita , assim como as palavras .
Gosto dos seus desenhos .
Voltarei .

Retribuo o abraço ,
Maria

FILOSOFANDO NA VIDA Profª Lourdes Duarte disse...

Olá boa tarde!
Mais uma vez estou aqui para deixar o convite da 12ª edição do Poetizando e Encantando.
A imagem dessa edição é linda é um convite para lindas poesias. Como sempre deixo uma dica.
É uma foto de um lugar com muita água! Está muito fácil de acertar!
O que você acha amiga, devo postar nessa noite para da mais tempo para a postagem ou continuo aos domingos pela manhã! É importante sua sugestão, ficarei grata.
Tenha um fim de semana de muita paz, abraços com carinho da amiga Lourdes Duarte.

Grata pela visita ao meu cantinho, será sempre bem vinda! Bjus

AC disse...

Numa situação incómoda qualquer de nós sente necessidade de se debater, de reagir, de procurar o espaço certo para respirar, nem que seja à custa de deixar algo para trás.
Gostei, Luiza.

Receba um abraço.