Música!

...

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Relato sobre o silêncio e a poesia:

Poesia
Luiza Maciel Nogueira
(Nanquim sob papel)


Relato sobre o silêncio e a poesia:

I.
quando a poesia 
encontra o silêncio

quando o silêncio
encontra a poesia

: nasce a música

quando a música 
encontra um destino

: nasce um repente
que de repente se vai

(...)
Luiza Maciel Nogueira

quando a poesia
de repente se vai

leva consigo a alma
o papel pede histórias

: nasce a prosa

quando a prosa 
flui etérea ritmada

com linguagem surpreendente
traz de volta a poesia

: nasce a prosopopeia

(...)

Jose Couto

Quando a poesia
Se cala se emudece

Leva consigo a alma
O corpo se esquece

: nasce a onomatopeia

Quando o som é sentido
O prazer de um gemido

Leva em si a beleza
Libera a poesia presa

: nasce a contemplação

(...)

Manoel Gonçalves Manogon

Reveste-se de Luz

Traz em si toda clara essência
Esculpida nos recônditos.

O silêncio que emana
Transcende a alma

Então o poeta se desnuda
Como uma primavera...

: nasce assim outra estação

(...)

José Regi




Poesia
Luiza Maciel Nogueira
(Nanquim sob papel)

II.

a poesia corre
demasiado depressa
depressa
não paremos de sorver
cada silêncio
como nosso último beijo
às vezes confesso
contemplo os teus passos
mas prometo
só dura um segundo
até beijar o chão
debaixo dos meus pés
e seguir esse passo a passo
rumo ao infinito


(...)
Luiza Maciel Nogueira





O infinito são todas as possibilidades que dispomos
Neste nada contuso que se soma.
A esperança de ver chegar aquele amor
Que marcou como cicatriz
E que por medo de viver sorveu em saudade.
A saudade dorida
No gosto daquele beijo solitário
Ainda morno na boca Faz eriçar a pele.
A mesma pele que um dia tocaste
Com minúcias de eternidade
Durante os instantes apressados na hora de ir...
José Regi




III.



quero um silêncio

regado a poesia

um gole de música

breve

onde possa banhar

a saudade

daquele pedaço 

de esperança

que pelas entranhas

ainda dança

por não saber
te esquecer


(...)
Luiza Maciel Nogueira

*




IV.

sorvi nos lábios o silêncio da poesia
que pela garganta se foi

como nutrir um exército de poetas?
te pergunto
e fazer com que todos despertem?
te questiono

: deste sono sem cor
vai poeta cantar!


(...)
Luiza Maciel Nogueira


*


V.

cantar a poesia de todos os jeitos
reinventar as cores dos versos,
os tons desses ventos incertos
bagunçar as palavras errantes pelas linhas
te procurar, te perder e te encontrar sem nem te avisar
sem te dizer do silêncio que paira
sem te sussurrar baixinho a música
que atravessa os tempos
esquecer de te esquecer para sempre
porque a poesia essa sim
a poesia é flor do tempo que se abre
ao despetalar
onde o pensamento não consegue
alcançar


(...)
Luiza Maciel Nogueira

Um comentário:

AC disse...

Desvincule-se de tudo isso, Luiza. A poesia não é exclusiva dum ser, mas cada um sente-a à sua maneira. Não há fórmulas, pode crer!

Um beijinho :)