Música!

...

sábado, 30 de setembro de 2017

Poema para preencher algum vazio

não que eu seja alguém
e essas palavras possam significar algo
ou quem sabe preencher algum vazio
caído já no esquecimento de qualquer abismo
mas tu sabes da minha ternura
já te disse muitas vezes
e infelizmente essa ainda me consome
desde acordada até a hora de dormir
por ti meu mundo gira
ultimamente não tenho te dito muito
o silêncio tem sido meu cobertor
as palavras tem sido escassas
mas estou sempre aqui sem que me vejas
sem que me saibas
em silêncio te amo
sempre que posso mando-te um pedaço de mim 
para cobrir-te nas noites frias 
ainda que seja insuficiente
é tudo que tenho para te oferecer
meu coração despedaçado 
não me permite te perder
ainda que eu nunca tenha te encontrado
ainda que nunca tenhas me amado


*

Poema a sorrir para a morte



estive a pensar na necessária distância 
daquilo que quer se separar de nós
e apesar de não querermos essa separação 
de nos agarrarmos ao vazio, ao inútil, ao nada
é preciso deixa-lo ir de tempos em tempos
e de tempos em tempos nos despedir
ainda que as palavras não se bastem
para comunicar o intraduzível 
e nossa presença já não resulte algo 
qualquer palavra obsoleta cairá no vazio
já ninguém escuta a vibração do silêncio 
as vezes nem mesmo a ausência 
nos fará escutar aquele que se foi
há dias que nem mesmo nos escutamos
como quando a música deixa de tocar 
nossos obsoletos corações 
como quando qualquer poema deixa de nos tocar
como quando temos a certeza da morte
que ela já nos bate na porta
e a qualquer momento pode nos levar
como quando se ri 
daquele que quer nos matar sem piedade
um riso leve, solto, inútil
e o mundo continua a girar



segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Poema da menina sem face

200º Desafio Poético com Imagens da Tânia Contreiras - IV Ano 
 Arte: Susana Blasco 

 Poema da menina sem face 

quando tiraram minha face 
e penduraram minhas as fotografias nas paredes
olhos, ouvidos, boca, seios, coxas, bunda
fragmentaram-me em pedaços suspensos no ar 
foi então que descobri: 
nada disso me define, nada disso sou
e ser é muito mais além
foi a partir desse dia que sem face andei por aí 
sorrio não na boca, não nos lábios 
mas durante o meu caminhar 
passo após passo além 
choro quando 
inconsciente estou 
além sou


*

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Poema nadificado



a abraçar a inutilidade das coisas 
ser tão inútil como tenho sido 
a cantar com os passarinhos 
e não fazer diferença nenhuma 
a não me importar absolutamente 
nessas coisas sem destino 
destinadas a não serem
jogo-as ao vento 
das coisas sem conserto 
como esse coração despedaçado 
nesse grande nada a nos envolver 
em eterno delírio 
delírio de uma dança de nadas em nadas 
das quinquilharias a sorrirem 
esses indecifráveis vazios 
que nem a borracha saberá desdizer


*


Escrito para o desafio do grupo Delírios Poesia e Arte cujo tema é "Inutilidades, quinquilharias e vários nadas".


terça-feira, 12 de setembro de 2017

Poema para Carmen Silvia Presotto

(Carmen Silvia Presotto)

Poema para Carmen Silvia Pressotto

a vida é fio tênue de esperança
a morte logo nos bate a porta assim tão de repente
e para outra dimensão vamos
caminhar, poemar, trabalhar,
a brincar de amar os diversos caminhos
que a vida, a morte, a infinitude nos apresenta
a morte do corpo não é a morte da alma
que a luz te guie sempre poeta
e que a tua poesia nos guie agora
sob a escuridão te leio
te lerei sempre!
Evoé!

que tua poesia faça morada em nós
e todos os pássaros versados em vida
te acompanhem sempre
revoem teu ser da luz que é
Evoé!*

*expressão dita sempre pela poeta 

sábado, 9 de setembro de 2017

Poema de cansaço e silêncio

199º DESAFIO POÉTICO COM IMAGENS - ANO IV:

balança ali o passado
a sombra da infância 
esquece de esquecer
o que não aprendes a recordar
nessa lembrança que atravessa
a espinha de silêncio 
desse silêncio que não sabes amar
dessa ausência desmentida
ao limite do cansaço
um silêncio cheio de mistério 
um mistério cheio de cansaço 
um cansaço cheio de nuances
das nuances sem sorrisos
prefiro esquecer a recordar
o quanto esqueci
e por esquecer a rememorar me perdi
já não tenho vontade de dizer
e por isso chegou a hora de me calar
as palavras nos traem a verdade
essa mesma que vibra ao redor de tudo
não me é suposto dizer
daquilo que não sei amar
por isso agora só o silêncio 
pois só o silêncio nos guiará

Geren

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Mario Quintana

"Do bem e do mal 

Todos tem seu encanto: os santos e os corruptos. 
Não há coisa na vida inteiramente má. 
Tu dizes que a verdade produz frutos... 
Já viste as flores que a mentira dá? "

Mario Quintana



"Da Perfeição da Vida 

Por que prender a vida em conceitos e normas? 
O Belo e o Feio... O Bom e o Mau... Dor e Prazer... 
Tudo, afinal, são formas 
E não degraus do Ser! "

Mario Quintana


terça-feira, 5 de setembro de 2017

Miguel Torga



Sísifo



Recomeça....

Se puderes

Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.




E, nunca saciado,

Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.

Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças...


Miguel Torga

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Poema de raízes (para todos aqueles que sangram)



já tentaram cortar as minhas raízes
e sim eu sangrei na solidão que me despia
já me arrancaram a infância
e sim hoje sou criança
já partiram meu coração e o pisaram 
e sim foi dando risada em voz alta
que já tiraram boa parte de mim
mas eu sobrevivi e cá estou
minhas raízes me sustentam 
e eu vôo quando não aguento